Entrevista - Ricardo Salvador

RA RACING INTERVIEW apresenta a última entrevista feita com os delegados do SBKI, cada estado do sul do Brasil tem um delegado. E hoje conversamos com o delegado do estado de Santa Catarina, Ricardo Salvador. Ricardo é responsável pela maior delegação do SBKI, dentre oito estados brasileiros.

RA RACING INTERVIEW: Ricardo, sendo você o delegado representando Santa Catarina, ou seja, a maior delegação do evento, qual a importância da realização de um Sul Brasileiro dessa magnitude?

Ricardo Salvador: Primeiramente é sempre uma HONRA ser representante de Santa Catarina em um evento nacional do esporte que eu amo. Tudo começou em 2005, quando fomos convidados pela AMIKA para divulgar aqui em Santa Catarina o Primeiro Festival Brasileiro de Kart Indoor, que rolou em SP. Na época, eu dirigia a Associação de Kart Amador de Santa Catarina, a AKASC, que reunia pilotos amadores de Floripa, do Vale do Itajaí e de Joinville no Barra Sul Kart Indoor, em Balneário Camboriú, para torneios anuais e do tipo Cup. Desta época, nomes conhecidos do Kart Amador Catarinense, como Gilberto Silva, Allan Becker e Nelson Rebelo duelavam em busca dos títulos.

A estratégia para divulgar o Brasileiro em nosso Estado foi criada pelo meu grande parceiro de AKASC, Kléber Teixeira (in memorian) que me incentivou a organizar a Primeira Seletiva para o Brasileiro. E assim surgiu minha amizade com Miguel Cappuccio, presidente da AMIKA. De lá pra cá foram 12 anos consecutivos sendo o Chefe de Delegação de Santa Catarina. Esta é a primeira vez que um evento de kart amador de nível nacional é organizada em SC e isto abre uma nova perspectiva de integração entre os pilotos do Estado com pilotos de todo Brasil. Sempre defendi a tese que nossa evolução no esporte depende do contato com outras escolas, outras pistas e outros torneios. Além disso a confraternização entre pilotos dos mais variados lugares permite que muitas amizades sejam criadas e mantidas dentro e fora das pistas.

RARI: Quais seriam os fatores cruciais para conseguir êxito em eventos desta configuração?

RS: Os fatores cruciais são: estrutura física do Kartódromo ( pista, box, estacionamento, restaurante, banheiros), karts em quantidade e principalmente qualidade, equipe de apoio (dentro e fora da pista) bem organizada e treinada, equipe de socorristas de prontidão, regulamento claro e objetivo, briefing integrador e esclarecedor, direção de prova coerente com o regulamento, transmissão ao vivo, narração durante todo o evento e comunicação elucidativa da direção de prova com os pilotos eventualmente punidos.

RARI: Qual o papel do delegado para o SBKI?

RS: O Delegado, para todos os eventos em que é designado, funciona como elo de ligação entre os pilotos de sua delegação e a direção de prova. Filtra as demandas, entra com recursos quando estes são pertinentes, tira dúvidas em relação ao regulamento e procura criar uma unidade visando a maior integração entre os pares.

RARI: Como essa união de forças do sul do País pode contribuir para o crescimento do kartismo regional?

RS: Já existe uma bela integração entre os 3 Estados do Sul, que compartilham torneios regionais e endurances, Como resultado desta integração conseguimos elevar muito o nível das competições, com grande procura pelas vagas, que geralmente são preenchidas poucas horas após a abertura das inscrições. Pilotos dos 3 Estados ganham novos rivais e o aperfeiçoamento técnico é fundamental para se almejar a vitória. Isto só melhora as perspectivas de um esporte que está cada vez mais profissional, atraindo muitos pilotos e ex-pilotos profissionais de várias categorias do automobilismo.

Galeria

Vídeos

Destaque